FANDOM


"AAAAAAAREEEESSS!!! Destroy my enemies, and my life is yours" - Kratos, sujeitando-se a Ares.

Kratos é o protagonista da série de jogos God of War, sendo o único personagem jogável. Ele é filho de Zeus e irmão de Deimos

DescriçãoEditar

Kratos é um homem espartano que tem de 35 a 40 anos de idade, corpulento, sem cabelo e com o corpo tatuado de vermelho. Além disso, seu corpo ostenta a pele branca (daí o apelido "O Fantasma de Esparta"), que são as cinzas de sua esposa e filha que ficaram impregnadas em seu corpo como castigo. Kratos tem uma personalidade nervosa e sangue-frio. Ele pode matar qualquer pessoa sem nenhum remorso, e é muito perseverante.

Suas habilidades, como um semi-deus, são extraordinárias. Kratos foi capaz de enganar a morte duas vezes (embora da segunda vez teve a ajuda de Gaia). Fisicamente, Kratos é extremamente forte, capaz de empurrar estátuas gigantes Kratos ostenta várias armas para lhe ajudar, como as Lâminas do Caos, Lâminas de Atena e Lâminas do Exílio (armas primárias), a Lâmina de Artêmis, Manoplas de Zeus, Martelo Bárbaro, Lança do Destino, Garras de Hades, Punhos de Neméia, etc (armas secundárias) e a toda poderosa Lâmina do Olimpo. Além disso, Kratos tem habilidades divinas ofertadas por deuses e titãs, como o Exército de Hades. Apertando L3 e R3 ao mesmo tempo depois de encher uma barra após matar inimigos, Kratos desbloqueia o poder dos Deuses, dos Titãs ou da Lâmina do Olimpo, dependendo do jogo no qual ele está. Nesta forma, uma aura cobre seu corpo ou ele tem acesso à arma suprema da franquia. Nesta forma, ele tem maior força, defesa (embora não invulnerabilidade). A única desvantagem é que a barra demora a ser enchida e seus poderes duram por pouco tempo.

Kratos amava sua família (sua esposa e sua filha), no entanto ele não a dava atenção, deixando sempre ela em segundo plano - o primeiro era lutar pela glória de Esparta. Em suas batalhas, ele enfrentou um exército que não poderia deter com meios normais, o de um Bárbaro. Quando estava prestes a morrer, Kratos suplicou a Ares para que lhe ajudasse. Se isto acontecesse, Kratos se sujeitaria ao deus. Ares atendeu ao pedido do homem e o deu as Lâminas do Caos. Com elas, Kratos decapitou o Bárbaro e suas tropas venceram o Exército Inimigo.

Ares fez Kratos matar sua própria família posteriormente, confundindo-o e dizendo que tinha feito isto para ele se tornar seu guerreiro perfeito. Kratos adquiriu sua pele branca em virtude destes acontecimentos. Em seguida, ele passou 10 anos prestando serviços aos deuses para se redimir de seu ato.

God of War: AscensionEditar

Seis meses depois de matar sua família, Kratos deve enfrentar as Fúrias.

God of War: Chains of OlympusEditar

Neste jogo, Kratos, depois de matar um Rei Persa que ameaçava a Grécia, ele é escalado para resgatar o deus do Sol, Helios de uma artimanha de Morfeu, Perséfone e Atlas.

God of WarEditar

"Ares, você vai pagar pelo que fez naquela noite!" - Kratos para Ares.

Em God of War, no início do jogo, Kratos está encima de um monte. Ele olha para baixo, e diz que não há esperança, mencionando os deuses. Desgostoso, Kratos pula da montanha tencionando se suicidar, enquanto a narradora faz uma introdução do que está acontecendo. Pouco antes de Kratos cair na água, a câmera escurece e retorna três semanas antes destes acontecimentos. A narradora menciona que Kratos é o "campeão dos deuses".

Kratos está no seu décimo ano de servidão aos deuses. O espartano está em uma missão no mar mediterrâneo para matar uma Hidra em nome de Poseidon. Durante a batalha, Kratos consegue a Rajada de Poseidon. Para matar o resto de guerreiros zumbis, Kratos precisa da chave da cabine do capitão do navio. O capitão do navio, infelizmente, é engolido pela Hidra. Kratos a mata e encontra o Capitão em seu esôfago. Ele puxa a chave, que estava no pescoço do capitão. O homem agradece a Kratos, mas o espartano disse que não veio por causa dele e o manda para o estômago da fera, matando-o.

Kratos, em seu barco pessoal e irritado com lembranças do passado que o atormentam, vai até a parte superior do barco (depois disso, um minigame de sexo pode ser ativado). Lá, ele fala com sua protetora, Atena. Kratos se diz cansado de servir aos deuses, coisa que ele tinha feito por 10 anos. Atena diz que Kratos pode-se libertar de seu tormento matando o Deus da Guerra, Ares. Ares estava com ciúmes de Atena e tinha, ele mesmo, juntamente com um exército de criaturas desprezíveis, invadido Atenas e começado a destrui-la. Fazendo isso, ele tinha desafiado não só Atena, como também Zeus, que proibia este tipo de atitude.

Kratos parece aceitar prontamente a missão. Ele vai até Atenas e combate alguns inimigos do exército de Ares, entre eles os Minotauros e a temida Medusa. Kratos continua sua missão, encontrando Ares dizimando completamente a cidade. Kratos não podia enfrentá-lo assim. O espartano, seguindo uma dica de Atena, procura pela Oráculo de Atenas, no caminho encontrando um Coveiro Misterioso, recebendo o Raio de Zeus e a Cabeça da Górgona.

Kratos salva a Oráculo da morte, onde ela lhe trás novas lembranças de seu passado. Kratos fica irritado, mas ouve o que a mulher tem a dizer: há uma forma de derrotar Ares, mas para isso se deve ir até o Deserto das Almas Perdidas. Lá ele deve recuperar a Caixa de Pandora.

Na entrada do deserto, Kratos encontra novamente Atena em uma estátua da deusa. Ela revela a Kratos que a caixa está muito longe, em um templo que está encima de uma montanha que, por sua vez, está acorrentada nas costas do Titã Cronos, que foi condenado a vagar engatinhando pelo deserto nesta situação humilhante como castigo imposto por Zeus, já que Cronos perdeu a Primeira Titanomaquia.

Kratos, ciente da situação, mata três Sirenas e avança no deserto, encontrando um Chifre de Titã que, ao ser soprado, causa um som muito alto. Kratos sopra o objeto, chamando Cronos, que vai ao seu encontro. O espartano, através de uma corrente, pula e se agarra à montanha. Kratos passa três dias escalando-a, até chegar à entrada do Templo de Pandora.

Chegando ao local, Kratos se encontra com um homem deteriorado, que o avisa dos perigos que existem dentro do Templo. Mesmo assim, Kratos avança, descobrindo um conjunto de quebra cabeças bastante complicado, tudo organizado pela loucura de Pathos Verdes III, arquiteto dos deuses. Kratos vence todos, passando por desafios que faziam menção a Poseidon e Hades e ganhando armas e habilidades novas, como as Lâminas de Artêmis e o Exército de Hades. Finalmente, ele mata o Guardião de Pandora, um minotauro gigante blindado, e sai do Templo.

Depois, Kratos realiza outras tarefas e quebra cabeças, como resgatar o Colar de Hera e o Colar de Afrodite, além de encontrar os corpos de Pathos Verdes III e sua família. O arquiteto havia matado sua esposa e depois se suicidado, no clímax de sua loucura.

Kratos consegue chegar até a Caixa de Pandora após mais alguns desafios. Kratos a empurra para fora do Templo de Pandora. No entanto, Ares está ciente do fato. Ao descobrir os planos de Kratos, o deus pega um pedaço de uma coluna semi destruída de Atenas e a arremessa em direção às costas de Cronos. O dardo gigante atinge Kratos de surpresa e o empala. Enquanto vê as Hárpias de Ares pegarem a Caixa de Pandora, Kratos faz as últimas lembranças de seu passado, vendo que Ares foi o real responsável pela morte de sua família. Kratos, em seguida, morre.

Morto, o espartano, como todos os outros mortos, cai em direção ao Rio Estige. Antes, porém, Kratos se agarra ao Capitão do Navio, que morto estava agarrado em uma saliência. Kratos o mata novamente, o derruba e continua seu caminho.

Depois de enfrentar guerreiros do submundo e caminhar pelos reinos de Hades, Kratos encontra uma pedra ligada por uma corda que leva à superfície. O espartano ressurge em Atenas, onde é revelado que o Coveiro Misterioso o salvou. Ele diz a Kratos para continuar seu caminho, e que Atena não é o único ser divino que está o ajudando. Ciente disto, Kratos luta contra alguns inimigos e encontra Ares, brandindo a Caixa de Pandora e desafiando Zeus. Ares percebe o retorno de Kratos, mas não se importa com o Espartano.. Kratos, com um Raio de Zeus, derruba a Caixa das mãos de Ares, e a toma para si, abrindo-a.

Kratos fica com o poder de um Deus e cresce até o tamanho de Ares. Ele e o Deus da Guerra se confrontam, e os dois lutam. Quando Kratos torna Ares fraco, o Deus da Guerra usa um poder inusitado, e entra na mente de Kratos para torturá-lo. Kratos se vê em frente à sua esposa e filha. O espartano deve defendê-la de vários clones de si mesmo. Ele obtém sucesso, mas Ares retira de Kratos as Lâminas do Caos e mata sua família. 

Kratos está sem suas armas e vulnerável. Ares se levanta e se prepara para, com sua espada, matar o espartano. Entretanto, Kratos rola para o lado e pega uma espada também gigante, a Lâmina dos Deuses. Kratos, com a nova arma, recomeça a batalha. Ares demonstra variados poderes e uma força imensurável, mas Kratos o derrota, enfraquecendo-o e empalando-o.

Após terminar a missão, Kratos conversa com a estátua de Atena, que diz que sua servidão acabou. Mesmo assim, suas visões não irão parar de atormentá-lo. Kratos, triste, sobe um penhasco. A cena de abertura tem início, com Kratos tentando o suicídio. Ele cai na água, mas uma misteriosa força o puxa para cima e o coloca em terra novamente.

Kratos vê uma estátua de Atena, e é revelado que a deusa o salvou. Atena lhe dá uma nova arma primária, as Lâminas de Atena. Ela abre um portal para o Monte Olimpo. Kratos entra no portal, e anda até uma sala com um trono e duas estátuas, uma do Guardião de Pandora e outra o de Ares. Kratos se senta no trono. 

Uma cena surge, com a narradora falando o que aconteceu quando Kratos sentou no trono. É dito que ele provocou todas as guerras até a atualidade, mostrando batalhas entre soldados chineses e mongóis, a guerra da Independência Americana e a Segunda Guerra Mundial. Por fim, o jogo termina com a narradora dizendo que, após ter matado Ares, Kratos se tornou o novo Deus da Guerra.

God of War: The Ghost of SpartaEditar

God of War: BetrayalEditar

God of War 2Editar

"Eu não te devo nada!" - Kratos para Atena.

No início do jogo, Kratos é visto sentado em seu trono no Olimpo, com a armadura de Deus da Guerra e cercado de concubinas. Com uma expressão ameaçadora, Kratos sai do trono e vê através de um portal mágico um jovem espartano que declara a Kratos que Esparta está sitiando mais uma cidade (Rodes) e que em breve todos conhecerão a glória de Esparta.

Kratos, como já havia feito outras vezes, decide ajudar os espartanos. Atena, fazendo sua primeira aparição em pessoa, tenta parar Kratos, dizendo que ela não poderá defendê-lo da ira do Olimpo por mais tempo. Kratos, arrogante, diz que não precisa de proteção. Atena diz para ele não lhe virar as costas, já que ela o tornou um deus, mas Kratos afirma que não deve nada a ela

Kratos cai do Olimpo em direção à cidade de Rodes. Ele, em sua forma gigante, começa a destruir a cidade e auxiliar os espartanos na batalha. De repente, uma águia gigante (que Kratos pensa ser Atena) surge e drena parte dos poderes de Kratos, imbuindo-os no Colosso de Rodes. A estátua gigante ganha vida e avança em direção ao espartano, enquanto Kratos diminui até ficar do tamanho de um mortal, embora ainda tenha alguns poderes divinos.

Kratos luta contra alguns Guerreiros Zumbis, enquanto o Colosso de Rodes tenta matá-lo. Kratos, usando uma catapulta, cega a estátua em um de seus olhos, mas é arremessado para longe. Uma árdua batalha se segue, na qual Kratos arranha as bochechas do colosso com as Lâminas de Atena e arranca sua mão esquerda.

A batalha continua feroz e ocorre em toda Rodes. Zeus aparece para Kratos, e dá ao Deus da Guerra a Lâmina do Olimpo, uma arma extremamente poderosa. Kratos a aceita de prontidão, e imbui o resto de seus poderes divinos nela. Kratos entra dentro do Colosso e absorve os poderes da estátua. Em seguida, ele mata a estátua gigante. Kratos, em solo, se gaba de suas habilidades. Infelizmente, a outra mão do Colosso de Rodes cai e acerta em cheio o anti-herói, que é mortalmente ferido, já que seus poderes estavam agora na Lâmina do Olimpo. A espada é atirada longe. 

Kratos, extremamente fraco, tenta alcançar a Lâmina do Olimpo para recuperar seus poderes. No entanto, a águia voa até ao local e revela ser Zeus, que recupera a Lâmina do Olimpo. O pai dos deuses diz que teve que agir quando Atena se negou a intervir. Zeus quer lealdade de Kratos perante aos deuses, mas Kratos se nega. É revelado também que Kratos colocar seus poderes divinos na Lâmina do Olimpo era um estratagema de Zeus para derrotar Kratos.

Kratos, mesmo mortalmente ferido, tenta lutar contra Zeus. O deus facilmente o derrota e empala Kratos com a Lâmina do Olimpo, matando-o. Após Zeus destruir as forças de Rodes e de Esparta, o corpo de Kratos é puxado para o submundo. 

Entretanto, uma voz o incentiva a continuar a viver e derrubar Zeus (a voz pertence a Gaia). Kratos, então, se vê em um lugar cheio de mãos tentando pegá-lo. O espartano as mata e ressurge em Rodes, vivo, mas agora como um simples mortal e com uma grande cicatriz na barriga, causada por Zeus. Gaia o incentiva a ir para a Ilha da Criação, onde lá ele poderá mudar seu destino e impedir que Zeus triunfe.

Como a ilha fica muito longe de Rodes, a Kratos é disponibilizado o Pégaso, um cavalo alado que, na Mitologia Grega, auxiliou o herói Perseu. Kratos monta no cavalo e voa em direção à Ilha da Criação. No caminho, ele é interrompido por uma legião de grifos, que o fazem cair no Cáucaso. Lá, Pégaso é preso pelos dedos do gigante Tifão.

Kratos se aventura no local e descobre Prometeu, em seu tormento de ter seu fígado devorado todos os dias por águias. Kratos mata Prometeu no fogo. Kratos encontra Tifão e arranca o Arco de Tifão do olho do Titã. Em seguida, ele bate nos dedos de Tifão, forçando-o a soltar Pégaso. Com seu transporte livre, Kratos ruma para a Ilha da Criação.

Infelizmente, o lugar é guarnecido por mais grifos, liderados pelo Cavaleiro das Trevas. O vilão mata Pégaso, mas Kratos pula em seu grifo e mata o Cavaleiro das Trevas. Kratos consegue, finalmente, chegar à Ilha da Criação.

Mais a ser adicionado em breve.

God of War 3Editar

"Zeus! Seu filho voltou! E comigo, trago a destruição do Olimpo!" - Kratos na Segunda Titanomaquia.

Começando exatamente de onde o jogo anterior parou, Kratos brande a Lâmina do Olimpo enquanto está encima de Gaia. Os Titãs sobem o Olimpo, e uma batalha feroz se forma. Kratos luta contra um cavalo aquático gigante enviado por Poseidon, o Hipocampo.

O anti-herói continua seu caminho até encontrar o próprio Poseidon, que usa dois Hipocampos para intimidar o herói e tentar derrubar Gaia. Kratos os mata, e enfrenta Poseidon em sua armadura aquática gigante. Com a ajuda de Gaia, o espartano agarra Poseidon e o remove da armadura.

Fraco, Poseidon é subjugado por Kratos, que o espanca. Poseidon diz que o Olimpo irá prevalecer, mas Kratos não o escuta e esmaga seus olhos com seus polegares, em seguida quebrando o pescoço do deus e o jogando para fora do Olimpo. O caminho estava livre para Kratos, que, novamente com a ajuda de Gaia sobe e chega a Zeus.

Pai e filho travam um diálogo. Zeus derruba Kratos e Gaia com um raio. Gaia se segura em uma borda do Olimpo. Kratos pede ajuda, mas Gaia não o atende, dizendo que se ela salvasse Kratos, os dois iriam cair. Ela ainda revela que o espartano foi um peão na luta dos Titãs contra os Deuses. Kratos cai no submundo, onde milagrosamente se reencontra com Atena, agora na forma de um espírito.

Kratos a trata rudemente e continua seu caminho. Ele reencontra a Lâmina do Olimpo (que ele havia perdido), encravada em uma estátua de Pandora. Continuando seu caminho para o submundo e resolvendo enigmas, Kratos mata de uma só vez três cães de três cabeças e logo após doma Cérbero, conseguindo nisso o Arco de Apolo.

CuriosidadesEditar

  • É discutível, mas é possível que sempre que Kratos consegue a Lâmina do Olimpo, ele retorna ao status de deus, embora esta diferença não seja notada na batalha contra seus inimigos não-chefes. Porém, com os chefes, Kratos faz coisas extraordinárias que não faria normalmente, como matar um deus usando a simples força física e magia (algo que foi mencionado não ser possível por meios normais), 
  • Em God of War, Kratos exclama "A Titan leaves?" (Um Titã vive?) quando Atena cita sobre Cronos. No entanto, ele não deveria agir assim, uma vez que ele conheceu um outro Titã (Atlas) em God of War: Chains of Olympus.
  • O estado atual de Kratos é desconhecido, mas ele provavelmente se suicidou, como mostrado no final de God of War 3.

CuriosidadesEditar

  • É discutível, mas é possível que sempre que Kratos consegue a Lâmina do Olimpo, ele retorna ao status de deus, embora esta diferença não seja notada na batalha contra seus inimigos não-chefes. Porém, com os chefes, Kratos faz coisas extraordinárias que não faria normalmente, como matar um deus usando a simples força física e magia (algo que foi mencionado não ser possível por meios normais), resistir ao esmagamento por Cronos, matar Epimeteu, decapitar o deus Hélio, arrancar as pernas do deus Hermes, matar Hades, esmagar os olhos e quebrar o pescoço de Poseidon, quebrar o pescoço de Hera, espancar Zeus, sobreviver matar Hefesto, surrar e matar Hércules e outras tantas façanhas.
  • Em God of War, Kratos exclama "A Titan leaves?" (Um Titã vive?) quando Atena cita sobre Cronos. No entanto, ele não deveria agir assim, uma vez que ele conheceu um outro Titã (Atlas) em God of War: Chains of Olympus.
  • O estado atual de Kratos é desconhecido, mas ele provavelmente se suicidou, como mostrado no final de God of War 3.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória